homepage Facebook Twitter RSS Feeds Mapa do sitio
         
temperaturaventoprecipitaçãoIndice UV ESMTG
7.73.4Km/h00
BAIXO
História da Água - A grande reserva
Indíce do artigo
História da Água
Breve historial
Origem da água
Estações e reserva
Estação de tratamento de água - CAPTAÇÃO
Estação de tratamento de água - TRATAMENTO
Estação de tratamento de água - ELEVAÇÃO E ANÁLISE
Estação elevatória da figueira
A grande reserva
Todas as páginas

A grande reserva
Grande Reserva em Chão das Donas.A Grande Reserva é constituída por dois grandes reservatórios com capacidade para 15 000 m3 cada.Grande Reserva em Chão das Donas.

Parte do sistema de recloragem na Grande Reserva.Toda a água, quer de origem subterrânea, quer de origem superficial, era elevada para a Grande Reserva, a partir da qual eram abastecidos por gravidade todos os outros Reservatórios que se situam à volta da cidade de Portimão.

Parte do sistema de recloragem na Grande Reserva.À saída da grande reserva está instalado um equipamento de recloragem, que efectua em contínuo a medição do cloro residual, fazendo automaticamente a injecção de cloro necessária para manter na água da Interior da 1ª célula da Grande Reserva.rede de distribuição os valores recomendados pela Organização Mundial de Saúde e que oscilam entre 0,2 - 0,4 mg/l.

Neste momento (Fevereiro de 2000), a Grande Reserva já se encontra a receber água proveniente do sistema Funcho - Odelouca, fornecida pela empresa multimunicipal Águas do Barlavento, S.A..

A EMARP, disponibiliza, a exemplo dos extintos Serviços Municipalizados de Portimão, desde Outubro de 1998, um livro com alguns aspectos sobre a água no concelho de Portimão.

Incluíu-se no mesmo uma pequena cronologia com os factos mais relevantes relacionados com a história da água, factos estes que agora se colocam à disposição de todos em versão digital.

Uma imagem acompanha a explicação do evento sucedido nas diversas épocas, que poderão elucida-lo melhor sobre os procedimentos de captação, tratamento e distribuição da água ao longo dos tempos.



Poço

3.000 a. C.

Comecemos a nossa viagem da história da água, pela época remota de 3.000 a.C

Nessa altura já se obtinha habitualmente água doce a partir de poços, utilizando-se um balde (embora a maior parte dos aldeamentos se situassem perto de rios).

 

 

Figura: Poço

 

 

Sarilho

2.500 a. C.

O sarilho e dispositivos semelhantes eram utilizados para aumentar a rapidez da retirada de água dos poços.

O sarilho, que continua a ser largamente utilizado no Médio Oriente, é constituído por um pau giratório que tem um balde numa ponta e um contrapeso na outra ponta.

 

 

Figura: Sarilho

 

 

Sifão

1.550 a. C.

Uma pintura mural egípcia mostra um sifão a ser utilizado.


Figura: Sifão


 

 

Bomba de água

1.485 a. C.

Um grego chamado Dános é conhecido como o pai de uma bomba de água muito eficiente.

 

 

 

 

 

 

 

 

Figura: Bomba de água

 

 

Material de laboratório usado em destilação (Sec. XX)

350 a. C.

Aristóteles descreve o modo como se pode obter água doce a partir de água salgada por destilação (ebulição e subsequente condensação). No entanto, passaram mais de 1400 anos até que os Mouros truxessem essa ideia para a Europa Ocidental.

 

 

 

 

 

Figura: Material de laboratório utilizado em destilação (Sec. XX)


 

 

Parafuso de Arquimedes

1.500

As primeiras cidades europeias começaram a construír sistemas de abastecimento de água. O primeiro a ser descrito, em 1550, foi o de Ausburgo na Baviera (Alemanha), no qual eram utilizadas noras que accionavam parafusos de Arquimedes, os quais elevavam a água até torres altas, donde era canalizada para as residências dos consumidores.


Figura: Parafuso de Arquimedes

 

 

Contador de água potável.

1.614

Castelli, um italiano, descreveu o modo como ele fora finalmente capaz de medir o fluxo de água ou de outro líquido.

 

 

 

 

Figura: Contador de água potável. (Sec. XX)

 

 

1.682

Em Marly, na França, deu-se por terminado um sistema hidráulico extraordinário. Era accionado por uma série de noras gigantes, desenvolvendo cada uma delas uma força superior a 100 cavalos vapor.

 

 

Figura: Nora típica algarvia. (Secs. XIX - XX)

 

 

Filtros de areia.

1.791

James Peacock demonstrou que a água podia ser filtrada deixando-a infiltrar-se num leito de areia.

 

 



Figura: Filtro de areia em Estação de Tratamento de Águas. (Sec. XX)

 

 

Perfuração de um 'furo' artesiano.
Perfuração de um 'furo' artesiano.

1.794

Foi escavado pela primeira vez em Inglaterra, em Notting Hill, Londres, um poço artesiano, por um homem chamado Benjamin Vulliamy.

 

 

 

 

 



Figura: Técnicas e maquinarias modernas utilizadas para executar 'furos' artesianos. (Sec. XX)

 

 

 

Bomba de água.

1.854

Dr. John Snow fez a primeira abordagem eficiente das doenças provocadas pela água.

Cerca de 500 pessoas que viviam nas proximidades de uma zona de 200 metros junto à Broad Street (hoje, Broadwick Street), no Soho, em Londres, morreram de cólera num período de dez dias.

O Dr. Snow localizou a infecção numa bomba de água manual, retirou a manivela e assim terminou a propagação da doença. Deste modo a atenção das pessoas centrou-se na pureza da água.


Figura: Bomba de água manual. (Secs. XIX - XX)

Desinfecção para colheita de amostras e posterior análise.

 

 

 

 

 

Figura: Desinfecção de uma torneira de água potável para colheita de amostras. (Sec. XX)

 

 

Depósitos de Cloro.

1.896

E assim chegamos ao último episódio da nossa breve história da água, onde a água foi pela primeira vez desinfectada com cloro em Polo, na costa italiana do Adriático, como medida de protecção contra as doenças.

 

 

 

 

 

 

Figura: Depósitos de Cloro em Estação de Tratamento de Águas. (Sec. XX)



 

 

 

 

 
botao_PouparAgua
 
EMARP-concursos_publicos_204